quarta-feira, 21 de setembro de 2022

EU

 




Eu tenho passado por mim

Inúmeras vezes

Ultimamente.

Estanco meu passo de repente

Fitando a minha imagem que passa,

E ela segue seu caminho

Indiferente.

 

Às vezes, não me reconheço,

Embora eu saiba que ela

Sou eu.

Mas ela vive em outro tempo,

O qual não mereço

E ao qual não mais pertenço.

 

Fantasmas seguem seus passos,

Mas ela, cansando-se deles,

Joga-lhes algumas migalhas,

Tralhas do inconsciente,

Que  eles, de joelhos,

Colhem  pelo chão.

 

Eu tenho dela saudades,

Mas sei que é um amor platônico

-Sempre foi, sempre tem sido,

Sempre será,

Pois os passos de quem fui

Jamais voltam no caminho,

Não olham para trás.

 

Eu tenho passado por mim

Inúmeras vezes

Ultimamente,

E quando eu me olho, compreendo

Que preciso aprender

A me esquecer,

A me deixar ir.




 

 

11 comentários:

  1. Que belo, Ana! Todos fazemos isso mas a memória dos passos e dos caminhos só nos permite a saudade. Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Muitas vezes nos carregamos a vida toda e no final nos surpreendemos:
    pouco nos conhecemos!
    Gostei bastante.
    Até mais!

    ResponderExcluir
  3. Somos tão preocupados com a vida alheia, que por vezes esquecemos de nos cuidar, olhar, apaziguar aquilo que nos faz mal. Não conhecemos a nós mesmos, e o ser do espelho, aquele em quem colocamos a culpa por tudo o que acontece, parece ser tão frio.
    E assim, o tempo passa, e quando nos damos conta, o fardo é terrivelmente pesado, e as costas vergam.
    É preciso aprender a largar aquilo que não nos ajuda, a esquecer as más recordações. É preciso saber se aceitar e se perdoar. Mas é tão difícil.
    Que belo, Ana. Lindos versos.

    Marcio.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia Ana,
    Um poema muito belo onde o auto-conhecimento está evidência.
    Por vezes temos dificuldade em aceitarmo-nos como somos, mas seguimos
    sempre nessa busca interior .
    Beijinjos,
    Ailime

    ResponderExcluir
  5. Por vezes, ou muitas vezes, não nos reconhecemos.
    Excelente poema, gostei imenso.
    Bom fim de semana, amiga Ana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. Um poema realmente diferente, interessante e belo.
    Agradecendo o seu gentil comentário no Convívio dos Poetas,
    desejo-lhe uma Primavera muito agradável. Beijo
    ~~~

    ResponderExcluir
  7. Ana,
    Esses seus versos
    eu li, reli
    e voltarei a ler.
    São lindos.
    Encantada deixo
    Bjins de Primavera
    CatiahoAlc./Reflexod'Alma
    entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde de Primavera, querida amiga Ana!
    Uma análise poética do eu abandonado ao relento por circunstâncias não querida, talvez. Acontece conosco em algumas etapas do nosso viver.
    Gostei muito de ler e da imagem linda. Poema intenso.
    Feliz Primavera no coração!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Boa noite minha querida Ana!
    Quem é espiritual como eu, por vezes pensamos que somos tão incompreendidos!
    Uma novela sem novelo!
    Um beijinho no seu coração!
    😍💋😍 Megy Maia

    ResponderExcluir
  10. Nem sempre é fácil reconhecermos o nosso verdadeiro Eu.
    Belíssimo poema.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Tantas vezes nos perdemos dentro de nós. Tantas vezes nos encontramos sem nos esperarmos.... Gostei muito do poema.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Parceiros

VOZ

    Voz que viaja, se erguendo De sustenido a sustenido Mas nunca chega a um par de ouvidos.   Voz que se eleva, e que grita, Aflita, inflam...