quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

LEGADO









Te deixo o meu guarda-roupa,
Dele, faça o que quiser.
Deixo também alguns livros,
-Nem todos bons, nem todos lidos,
Outros, tão manuseados,
Que ficaram alguns cílios
Perdidos por entre as folhas.

Não deixo amigos, nem filhos
Que possam guardar memórias;
Sob as pálpebras fechadas,
Daqui, eu não levo nada,
E nada é o que ficará
Da minha efêmera história.

Meus discos, que tanto ouvi,
E o chão que guardou meus passos
Por entre esses corredores:
São eles a minha trilha
Sonora, mas morrerão
Depois de dias, ou horas.

Os poemas que escrevi
E que quase ninguém leu,
São a minha importância,
Representam, na verdade,
O que de verdade sou eu.

Mas quem não os quis ler antes,
Abandonando na estante
As minhas pobres palavras,
Pode bem seguir adiante,
Não entenderá jamais
O que jamais entendeu.

Um passo, e o mundo me esquece,
Um sopro, e eu vou embora
Sem levar saudade alguma,
Só a lágrima fingida, 
O fel da última hora.





2 comentários:

  1. Deveras, triste é que alguns sequer este legado consegue deixar,
    partem da maneira que chegaram, e por vezes nem mesmo saudades chegam a cultivar, para no momento que se for, deixar!
    Sempre compartilhando tão belos pensamentos em forma de poemas neste belíssimo espaço teu de também belas imagens. Grato, e por lá sempre passar, dias deveras abençoados pra ti e todos em volta, abraços!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

COMO MANTER A CALMA???

Eu estou na santa paz do meu lar, tentando meditar a fim de tornar-me uma pessoa melhor, quando o telefone toca. É um daqueles ...