Eloquência









A chuva
Faz crescer a erva entre os caminhos
E constrói redondas poças
Que vão ficando cada vez maiores
E cada vez mais intransponíveis.

O vento se cansa
De transportar palavras fracas
Entre diferentes pares de ouvidos,
E as mensagens morrem,
Sem deixar qualquer eco.

Mas as sementes caídas
Displicentemente, das mãos distraídas,
São fertilizadas pela mesma chuva
Que faz crescer as ervas daninhas,
E o silêncio que dorme no vento
Torna-se bem mais eloquente
Do que qualquer palavra.





Comentários

  1. "...E o silêncio que dorme no vento/Torna-se bem mais eloquente/Do que qualquer palavra."
    Esses versos dizem muito, pois quem lê nos meios sociais as opiniões que muitos dão sem nenhuma reflexão estão de fazer e criar separações, discriminações, guerras.
    Aqui no Brasil estamos em guerra, nem sabemos ainda quando terminará?!
    Muito bom te ler, pensar é algo que, nem sempre se pode dizer o que se pensa, pois não há quem possa compreender!
    Abraços apertados querida Ana, tenhas um lindo domingo!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Ana. É mesmo assim, querida amiga. Por vezes, o vento parece cansar-se, mas a chuva sempre faz tudo revigorar-se nas profundezas de um silêncio que fala mais do que as palavras. Aplausos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos