segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Veneza Não é Triste


Parte do nosso grupo na chegada a Veneza







Estavam todos espalhados pela estação de trem de Veneza; alguns em lojas e outros (os homens) resolvendo as passagens de volta no final do dia. Comecei a andar por ali sozinha, tentando sentir o ambiente (sempre gosto de sentir os lugares onde estou) até que cheguei à saída da estação, parando no topo de uma escadaria larga, e vi Veneza pela primeira vez. Meus olhos se espalharam sobre ela, e eu quase engasguei com tanta beleza. Meu marido tinha me pedido para não ir muito longe, mas eu não resisti: de repente, eu estava descendo as escadas e começando a tirar as primeiras fotografias. 

"É nós!"


Me encantei por uma gaivota, que mansa, chegava aos pés das pessoas e ficava ali, parada, sem nenhum medo. Mas é claro, uma menininha não muito bem educada chegou e começou a chutá-la, espantando-a. Olhei para a mãe de cara feia, mas ela só fez cara de paisagem e riu da “gracinha” da menina. Fui para o outro lado, e respirei fundo aquele dia, tentando esquecer o ocorrido. Afinal, eu estava ali para muito mais do que aquele triste evento isolado. 

Primeiras impressões


Ainda fiquei por ali durante algum tempo, me esquecendo de tudo o mais em volta, e quando finalmente dei por mim e voltei à estação, meu marido já estava nervoso, a minha procura. 



Olhem só a beleza desta grade!


Depois de tudo resolvido para a nossa volta de trem, começamos a nossa caminhada por lá, e a cada coisa que eu olhava, cada pedacinho de paisagem, cada curva e espelho d’água, a única coisa na qual eu pensava era a velha canção de Charles Aznavour que dizia que Veneza era triste. 

Descobrindo as gôndolas. Início do passeio

Veneza não é triste. É um lugar que espelha o céu o tempo todo. As pessoas que caminham por lá estão todas felizes, rindo, tirando fotografias, passeando, se encantando com tudo o que podem ver. As gôndolas, tão tradicionais, são um espetáculo à parte: há alguns gondoleiros que se denominam “cantantes”, e eles cantam enquanto conduzem as pessoas. 

Um belo cantinho

No início, eu não queria ir no passeio de gôndola, pois tenho um medinho de barcos e de água devido a um incidente na Ilha de Marajó há alguns anos. Quando entrei, a gôndola balançava muito, e me agarrei à borda; mas conforme avançávamos suavemente pela água, eu relaxei e me deixei levar. E vi que é tudo igualzinho vemos nos programas de TV e fotografias: as pessoas realmente deixam suas roupas penduradas às janelas, e tudo é muito, muito antigo. 


maravilhosa!

No avião, assistindo a um documentário sobre Veneza, descobri que as estruturas da cidade estão ameaçada pelas ondas provocadas pelos barcos e grandes transatlânticos carregados de turistas, mas que existem campanhas de moradores tentando bloquear a entrada dos mesmos, e incentivando as pessoas a conhecerem a cidade a pé. Andar a pé é muito melhor! Temos tempo de sentir o lugar, falar com mas pessoas, entrar em bares e restaurantes, lojas e ruazinhas escondidas. 

Muitos restaurantes!



Há alguns anos, dizia-se que os canais de Veneza não cheiravam bem; meu marido percebeu isso apenas nas passagens mais fechadas e escondidas, e eu, como estava gripada, não senti cheiro nenhum, mas teria sentido se fosse muito ruim, pois tenho um nariz bem sensível. O que eu vi, foi a água verde refletindo o céu. 


Fico me perguntando se um dia voltaremos a Veneza. Eu gostaria muito! Veneza não é triste: é mágica! Adoraria passar uma noite por lá. Quem sabe, um dia?



Misteriosa







Pequeno detalhe



verde, verde...



Lindas construções



Triste??? De jeito nenhum!



Lindo, lindo...



Alguém que se encantou com uma ruazinha. Uma turista japonesa.



menininha pestinha...

6 comentários:

  1. Bom que se encantou com Veneza e percebeu a sua Alegria.
    Um abraço.Élys

    ResponderExcluir
  2. Nossa, Veneza parece ser puro mistério... uma aura encantadora, do antigo... que persiste, que resiste ao tempo... beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
  3. Veneza é sobretudo para apaixonados.
    Bela e única.
    Mas há a ameaça de se afundar, Ana.

    Estou a ganhar-te, pois já lá dormi.

    Um beijo e obrigado por me recordares tanto do que lá vivi.

    ResponderExcluir
  4. Veneza é linda e para mim,inesquecível..Nada de tristeza por lá!Adoro! Lindo te ler! bjs,chica e as fotos DEZ!

    ResponderExcluir
  5. Olá,querida amiga Ana!
    Cada vez mais eu me apaixono por Veneza... tenho uma tela pintada por mim aqui na sala justamente de lá...
    Amo sem conhecer... é tudo tão romântico... as gôndolas são castelos para mim...
    Linda postagem! Amei sua partilha...
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  6. Nunca tinha ouvido dizer que Veneza era triste. Melancólica, talvez. Acho Veneza uma cidade romântica e sigular q.b. e um dos locais do Mundo que quero visitar em boa companhia!

    Abreijos :)

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O Mesmo Céu

Participação no blog Filosofando na Vida, da Professora Lourdes: O Mesmo Céu Naquela noite em que nós nos deitamos E juntos...