terça-feira, 25 de abril de 2017

Vinco









No espelho, eu te vi
Em meu rosto de manhã.

Foi antes do café; olhei-me, e lá estavas,
Cruzando a minha testa
De um lado ao outro,
Profundamente vincado.

Senti-o nas pontas dos dedos,
Lamentei a minha falta
Por não ter, há muito tempo,
Desfeito os laços.




5 comentários:

  1. Devo concluir que não gostaste do que viste ?
    Mas o poema é formidável !
    Um beijo muito amigo, Ana.

    ResponderExcluir
  2. Cada vinco nos rostos ,histórias contam...Essa é uma boa forma de aceita-los.rs bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Amiga Ana, embora não se goste dos "vincos", mas é a glória de quem possa os ver, os sentir, sinal de que se viveu e vive ainda, hoje em dia há tantos recursos para poder distanciar essas marcas, mas que a natureza não nos deixa sem delas nos livrarmos, enfim... É assim!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. É isso, muitas vezes passamos tempo pensando em algo que deveríamos ter desfeito há tempos atrás. Grata, minha querida, pela sua presença em meu espaço. Estou levando este teu poema para o G+, com os devidos créditos, pois estou lá...

    ResponderExcluir
  5. Os vincos falam profundamente... Vale muito valorizá-los com compreensão e carinho!
    Poema valioso!...
    Foto linda demais...
    Bj

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Não Tenho Mais Nada Contigo

Estou escrevendo estas linhas  Só para deixar bem claro: Não tenho mais nada contigo. Teu rosto não faz mais figura...