witch lady

Free background from VintageMadeForYou

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

VOZ

 




 



Voz que viaja, se erguendo

De sustenido a sustenido

Mas nunca chega a um par de ouvidos.

 

Voz que se eleva, e que grita,

Aflita, inflama as amídalas,

Faz racharem as xícaras

E os copos

Na cristaleira de vidro.

 

Voz que ecoa, e se ergue

Com força

Num peito vazio,

Onde os ecos se sobrepõe,

E se repetem, incontidos.

 

Voz que chora, e se desfolha

Qual margarida entre os dedos

De alguém indeciso.

Voz que se cala, finalmente,

E que adormece, infeliz,

Em um calado grito

Que estanca, mas desagua em cascatas

Sobre o travesseiro, perdido.




 

Um comentário:

  1. A vozes e seus donos, o silencio das vozes que clamam, que gritam pelo mais, pelo bem geral, vozes sufocadas, que explodem nos peitos grávidos de esperanças. São vozes que ecoam.
    Belo trabalho Ana.
    Abraços

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Parceiros

AS LUZES DO MUNDO

  (Crônica baseada em um poema de Lucia Bauer)     Ontem a noite estava cálida. Eu, meu marido e nossos dois cães nos sentamos no jardim, co...