sexta-feira, 30 de abril de 2021

O SANTO


Detrás de todo santo

Existe um pau oco

Onde ele esconde seu verdadeiro rosto,

E os seus arrotos. 

As barras de suas saias rotas

Tocam as sandálias gastas

Que cruzaram esgotos

E pisotearam seus próprios sonhos mortos.

O santo do pau oco

Não tem olhos para as nuvens,

Ou para o céu;

Ele vislumbra o inferno, 

E por isso o enxerga aonde quer que vá.

Sua auréola puída

Quase nada sabe daquilo que ele chama vida.

Sedento das orações e adorações que lhe dirigem os desesperados,

Tal santo sobrevive do sangue

Dos corações magoados.






5 comentários:

  1. Bom dia de paz, querida amiga Ana!
    Coitado dos "santos paus ocos"!
    Pensam que enganam a Deus... Pobre coitados!
    Bebem do seu próprio veneno, certamente.
    Tenha um final de semana abençoado!
    Beijinhos carinhosos e fraternos

    ResponderExcluir
  2. É o que mais existe nos dias de hoje ... Santo do pau oco.
    Bela reflexão poética.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Santinhos do pau oco???Aff..XÔ!!! beijos, lindo feriadão! chica

    ResponderExcluir
  4. E há imensos santos de pau oco. O poema está excelente.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Belo e profundo poema Ana, em perfeita definição dos falsos heróis, santos e mitos e salvadores. Nem precisa dormir com eles, para se lhes conheça a essência.
    Um show Ana de inspiração e criatividade.
    Carinhoso abraço e feliz semana mais leve.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

  Como se não houvesse amanhã, Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo, Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas Com as pont...