quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Preciso de um Chão





Preciso de um chão firme,
Que me dê segurança
Para deixar a cabeça nas nuvens
Sem medo de tropeçar.

Preciso de um chão por onde eu ande,
E que me leve até o mar,
Ao limiar das coisas vivas,
Ao  portal das coisas mortas.

Preciso de um chão tranquilo,
Entre ruas retas e ruas tortas,
Pavimentado de sonhos,
Ladeado por mundos não percorridos
Cheios de novas promessas.

Preciso de um chão de cidades
E de ruas desertas, mas sem saudades,
Ruas silenciosas e calmas
Onde haja cafés nas calçadas
Para que eu possa me sentar.

Preciso de um chão onde eu me plante,
E de onde eu um dia me arranque
Sem matar  minhas raízes;
Um chão de terras felizes,
Férteis, macias, e úmidas,
Morno de todos os raios de sol, 
Com o cheiro de todas as gotas de chuva.

Preciso de um chão que seja meu,
O meu espaço reservado,
Um chão onde fiquem marcados
Os passos do que eu vivi 
E o que me foi negado.

Que haja um espaço seguro
Para a última semente que cair,
Quando o chão me receber
Em seu ventre mais escuro.



Poema escrito ao ouvir e acompanhar a letra de:




Tell The World
Lecrae
  

Now, I’mma tell the world, tell ‘em
I’mma tell it everywhere I go
Tell the world, tell ‘em
Yeah, I’m a billboard
Tell the world, tell ‘em
And I’m broadcastin’ like a radio
Tell the world
You ought to know, I’m brand new
I know one thing’s true: I don't even really deserve to know you
But, I-I’m a witness that you did this, and I'm brand new
So, I-I'm read’ to go, and I’mma tell the world what they need to know
A slave to myself, but you let me go
I tried getting high but it left me low
You did what they could never do
You cleaned up my soul and
Gave me new life
I'm so brand new
And that’s all that matters
I-I ain’t love you first, but you first loved me
In my heart I cursed you, but you set me free
I gave you no reason to give me new seasons
To give new life, new breathing
But you hung there bleedin’
And ya’ died for my lies and my cheatin’
My lust and my greed (and, Lord!)
What is a man that you mindful of him?
And what do I have to deserve this lovin’?
Tryna make the moments last
Holdin’ on to the past
But, like a hero in a dream
Christ came, and he rescued me
Now, I’mma tell the world
Tell the world, tell ‘em
I’mma tell it everywhere I go
Tell the world, tell ‘em
Yeah, I’m a billboard
Tell the world, tell ‘em
And I’m broadcastin’ like a radio
Tell the world
You ought to know, I’m brand new
I can't offer you nothin’, but your care & kindness keeps comin’
And your love is so unconditional, I get butterflies in my stomach
I got the old me in the rearview, now the new me got a clear view
And I was so dead, I couldn't hear you
Too deep in sin to come near you
But you drew me in, you cleaned me up
So take me home, beam me up
Before you do, just let me tell the truth
And let these folks know that I done seen ya’ love
And it's everlasting, infinite, it goes on and on, you can’t measure it
Can’t quench ya’ love, they can’t separate us from the love of God There’s no estimate
My face look the same, my frame ain’t rearranged
But I’m changed I promise I ain’t the same
Your love’s so deep you suffered and took pain
You died on the cross to give me a new name
Ain’t nothing like I've seen before, I got a beaming glow
I was low, down, and dirty, but you cleaned me, Lord
You adopted me, you keep rocking me
I'mma tell the world, and ain’t nobody stopping me!





8 comentários:

  1. Tão formidável poema este teu, Ana !
    Espero sinceramente que encontres a bengala segura.

    Um beijo AMIGO.

    ResponderExcluir
  2. Um chão firme que nos proteja e acolha, lindo demais!
    Tenha uma ótima quarta feira.

    ResponderExcluir
  3. Sempre estaremos em busca de um chão firme e, creio que haveremos de encontrá-lo sempre.

    ResponderExcluir
  4. Um lindo poema, de sonhar, de voar, sem no entanto perder o chão, nossa raiz e segurança, a firmeza.

    ResponderExcluir
  5. O que precisamos a mais do que isso? Também gostaria dessa tranquilidade, dessa segurança, de saber onde piso, de recordar o chão de ontem sem saudades porque o futuro me reservaria algo assim também... Eu disse me 'reservaria'? Bem, fica assim, Ana...

    "Preciso de um chão de cidades
    E de ruas desertas, mas sem saudades,
    Ruas silenciosas e calmas
    Onde haja cafés nas calçadas
    Para que eu possa me sentar."

    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Bom dia. Adorei o poema, lindo demais. Parabéns

    Hoje:- Silenciada nas águas do rio.
    .
    Bjos
    Votos de uma feliz Quinta-Feira.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O Mesmo Céu

Participação no blog Filosofando na Vida, da Professora Lourdes: O Mesmo Céu Naquela noite em que nós nos deitamos E juntos...