terça-feira, 27 de agosto de 2019

Fim do Mundo







O mundo acaba e recomeça, 
Todos os dias
Em tsunamis de palavras
Escritas e faladas,
Pensamentos displicentemente jogados
Feito lixo
Sobre nossas calçadas,
Vozes mentirosas que se sobrepõe
Às vozes caladas.

E mais um dia se deita
Sobre as cabeças desatentas,
Comandadas por virtudes distorcidas,
Terremotos de ideias equivocadas
E meteoros gigantescos
De impacto profano.

E mais um dia se levanta,
Sobre as mesmas cabeças indiferentes,
Insipientes sobre as mínimas coisas,
E que mesmo assim, carregam o giz
Que escreve nas louças
Das mentes vazias e afoitas.

E tudo o que resta de bom
Ainda tenta sobreviver,
Tudo se arrasta sobre essa lama
Tentando deitar raízes cada vez mais finas
E mais  esparsas
No meio dessa infame trama,
Lançando uma voz cada vez mais fraca
Por sobre as gritantes matracas
Dessa infame subtrama.





3 comentários:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

QUANDO OS GURUS PERDEM A CABEÇA

Oi pessoal! Este é meu novo vídeo no canal Espiritualidade na Lata. Nele eu falo (como diz o título) nas situações em que os gurus pe...