sexta-feira, 10 de julho de 2020

Minhas Roupas Estão Saudosas







Nesses últimos quatro meses, meu guarda-roupa tem se resumido a:
- Uma blusa de malha cinza, de mangas três-quartos.
- Uma calça jeans preta bem velhina, uma jeans azul e duas de malha (todas bem velhas);
- Um par de tênis de cor vinho e outro de sandálias gastas;
- Um casaco azul;
- Dois suéteres bem velhos, sendo um preto e outro bege.

Ontem de manhã entrei no closet para me vestir e senti meu blazer axadrezado agarrar o meu punho enquanto eu passava. Ao mesmo tempo, meu par de botas jogou-se na minha frente, e pude ver o mofo acumulado em volta do salto. Imediatamente, as saias e camisetas, suéteres e echarpes começaram a reclamar:

-Queremos sair daqui! Precisamos de ar!

Naquele exato momento, uma gorda traça cruzou o meu caminho, dirigindo-se para o lado esquerdo, onde estão meus cabides de roupas que uso para passear, mas pude esmagá-la antes que ela chegasse ao seu objetivo.

Pensei: 'Acho que esse ano não vou ter a chance de usar as minhas melhores roupas.' Com certeza, ela ouviram meu pensamento, pois começaram todas a falar e reclamar ao mesmo tempo, e enquanto elas se mexiam nos cabides e prateleiras e os sapatos e botas protestavam veementemente batendo seus saltos contra o piso, um leve cheiro de bolor encheu o ar. 

Estendi a mão e peguei meu blazer de xadrez e o par de botas que comprei na Macy's. Imediatamente, lembrei-me daquela ocasião feliz - estávamos em Nova Iorque com amigos, e eu pude finalmente realizar o meu sonho de conhecer aquela que já foi a maior rede de lojas de departamento do mundo, e que hoje, infelizmente, está fechando aos poucos.

Vesti o blazer, calcei as botas. Também escolhi uma echarpe bonita para usar, borrifando um pouco do meu Nina Ricci que só uso para sair, em ocasiões especiais. No banheiro, abri a gaveta das maquiagens e espalhei um pouco de base, sombra e rímel no rosto. 

A gente precisa se adaptar à nova realidade. A gente precisa encontrar forças para nos lembrarmos de não nos esquecermos de nós mesmos durante esse evento inesperado.

Prometi às outras roupas, echarpes e sapatos que usarei todas elas aos poucos. E vou cumprir minha promessa.





quarta-feira, 8 de julho de 2020

MERGULHADAS NO SILÊNCIO







Não preciso dizer tudo;
A minha simples palavra
Jamais mudará o mundo.

A justiça que eu procuro,
Descansa, ainda intacta,
A espera do seu dia.

Mergulho minhas palavras
De dor ou indignação
No silêncio abençoado
E profundo das minhas águas.

Deixo que sua violência
Dissolva-se, bem lentamente,
Evitando qualquer mágoa
E curando a rebeldia.


Quer saber um pouco mais sobre as árvores?

Acesse o link e assista ao meu novo vídeo no canal O "X" da Questão!






quinta-feira, 2 de julho de 2020

AGRADECER







Pelo quê você sente gratidão?
Acredito que várias coisas vieram à sua cabeça.

Tanto coisas materiais quanto outras que o dinheiro não pode comprar. Mas antes que eu perguntasse, você sequer estava pensando nelas, certo? Talvez estivesse envolvido na resolução de um problema, ou aborrecido com alguma coisa, ou até quem sabe, empenhando toda a sua energia em algo que o irrita ou deixa triste. 

Por que temos essa mania de dedicar tanto tempo ao que é ruim?

No meu novo vídeo, convido você a uma reflexão sobre o agradecer.

Eis o link:





Desde já, agradeço muito aos que permaneceram no canal após as mudanças. Aos poucos, estou preparando novos vídeos. Peço àqueles que ainda não se inscreveram... que se inscrevam! Teremos vários assuntos para reflexão e também falaremos sobre livros, filmes e tudo o mais que for interessante. Só coisas boas. Só o que vai deixar você mais relaxado.

Abraços!



sábado, 27 de junho de 2020

CAI








Cai

Cai o tempo em gotas da meia-água do telhado.
A chuva lava as telhas, resgatando o passado.
Deitada em minha cama, eu aspiro o perfume
De terra refrescada, e as gotas ganham volume
Tornando-se pesadas, refletem a paisagem
Minúscula, esquecida, trazendo uma mensagem
De como foi a lida, de vozes abafadas
De gente que se foi nas chuvas dessa vida.




terça-feira, 23 de junho de 2020

VOLTANDO AO "NORMAL"







Aos poucos, minha cidade está voltando às atividades - e também o mundo inteiro. Quero recomeçar minhas aulas presenciais pra valer, mas as pessoas têm medo, então fico com os alunos que concordaram em ter aulas através do Skype. 

Ontem, conversando com minha irmã que tem 67 anos, é diabética e paciente cardíaca, ela me disse: "Não aguento mais! Minha quarentena termina no dia 1 de julho. A partir esse dia, eu vou sair e voltar a levar minha vida normal!"

Eu concordei com ela. Desde que tomemos todos os cuidados, é o que pode e deve ser feito. Não podemos ficar trancados em casa o resto da vida, com medo de ficarmos doentes. O Coronavírus, dentro em breve, será apenas mais uma doença circulando entre nós, atingindo alguns e matando outros, assim como o sarampo, varíola, meningite, H1N1, câncer, etc...

E todas essas doenças mencionadas (e muitas que não mencionei) também  têm consequências horríveis e podem ser mortais. Mas nem por isso nós nos escondemos por causa delas. 

Mas algumas coisas vão mudar, e pensando nessas coisas, fiz uma listinha:

- A maneira como nós trabalhamos vai mudar. Antes, o brasileiro via com maus olhos o trabalho em casa, mas agora aprendemos que, além de ser possível, os resultados são tão produtivos quanto em um escritório. Isso vai diminuir a necessidade de deslocamento diário para o trabalho, e consequentemente, engarrafamentos, estresse no trânsito e poluição do ar.

-A maneira como as pessoas estudam também vai mudar. As aulas online, tão combatidas, serão implantadas em escolas e universidades, na medida do possível.

- Consultas médicas poderão ser feitas online, com receituário e tudo. Também tratamentos psicológicos e psiquiátricos mais leves.

- Passaremos a ser mais reservados quanto a abraçar e beijar conhecidos e desconhecidos. Assim como os europeus, aprenderemos a manter uma distância segura das outras pessoas e nos sentiremos desconfortáveis quando alguém tentar invadir nosso espaço físico. 

- Restaurantes a quilo talvez mudem sua maneira de atendimento, decretando o fim do self-service. A comida será servida por um atendente, exatamente como é em alguns países europeus que visitei: a comida fica em uma vitrine, e os clientes pedem o que desejam, sendo servidos pelo atendente. 

- Estaremos mais cuidadosos quanto a higiene pessoal e também passaremos a ter o hábito de higienizar as compras antes de guardá-las nos armários de casa. 

- Talvez aprendamos a utilizar máscaras sempre que estivermos resfriados, a fim de não contaminarmos as outras pessoas. Isso seria ótimo! Acho no mínimo detestável quando uma pessoa nos cumprimenta com abraço e beijo, e depois declara: "Estou com uma gripe horrorosa!" Falta de consciência!

Bem, estas são algumas das mudanças que eu acredito que vão acontecer. E eu espero que elas aconteçam!








sábado, 20 de junho de 2020

O 'x' da Questão










Bom dia a todos!


Lembram-se  daquele canal que eu tinha no YouTube, o Espiritualidade na Lata? Pois é... depois de quase quarenta vídeos, comecei a assistir tudo de novo (se vocês tiverem um canal no Youtube, não façam isso, ou correm o risco de fazer a mesma coisa), apaguei tudo. Joguei tudo fora. Não era aquilo que eu tinha em mente quando abri o canal.

As coisas fugiram do controle, ficou tudo meio- espalhado e eu não gostei do resultado. 

Mas eu acredito em mudanças. Sempre pensei que não importa em que momento da vida estejamos, é sempre possível recomeçar.  E é exatamente o que eu estou fazendo.

Para começar, não gostava do nome do canal: Espiritualidade na Lata. Parecia que eu estava tentando esfregar espiritualidade na cara dos outros, embora não tenha sido essa a intenção quando escolhi o nome do canal: era para ser Na Lata, mas já tinha um. E por que esse nome? Porque eu fico irritada com alguns canais que sigo, onde as pessoas demoram até dez minutos para entrarem no assunto do vídeo, pedindo para curtir, compartilhar, etc... O meu canal iria direto ao assunto.


Mas o canal está ligado à minha profissão, e eu queria algo mais. Daí reativei o velho canal, mas repaginando. E sobre o que ele vai tratar?

Espiritualidade, reflexões e leituras.

Lá, eu falarei de livros que li, o que aprendi através deles (não serão resenhas e não serão spoilers, mas impressões). Farei reflexões através das coisas que eu observo (elas serão como crônicas, só que faladas) e também continuarei postando sobre espiritualidade, pois não consigo imaginar a vida sem ela. 

Convido todo mundo a dar uma passada por lá. Só tem dois vídeos por enquanto, mas a cabeça já está cheia de ideias, e ando vagando bastante em volta da minha estante de livros... espero que gostem e se inscrevam no canal!

Link PARA O "O 'X' DA QUESTÃO":





👇


Aproveitem e conheçam também meu canal profissional, com aulinhas de inglês para quem está tentando aprender a língua, o TEACHER ANA BAILUNE:




Grata desde já!

















https://www.youtube.com/channel/UCOFr7PQbqoPfKPyiOI5IHdw

quarta-feira, 17 de junho de 2020

Respeitar Direitos





Hoje fala-se muito em democracia, direitos e respeito. Porém, a maioria das pessoas que gosta de sacudir estandartes vermelhos e pretos nas caras alheias, não sabe o significado dessas palavras.

Democracia é respeito pelo desejo da maioria. Significa 'Governo do Povo' ou 'Governo popular.' O que eu vejo, é uma perseguição contumaz a um governo que foi legitimamente eleito por 57 milhões de pessoas. 

Democracia é aceitar que em uma eleição, apenas um candidato à Presidência pode vencer, e que após vencer, ele terá quatro anos de Governo pela frente a fim de mostrar seu trabalho, e quem perdeu, deve aguardar até as próximas eleições a fim de se candidatar novamente e ser (ou não) eleito pela maioria do povo.

Hoje em dia, fala-se muito de nazismo, fascismo e genocídio. Mas quem fala a respeito desses conceitos, nem se dá conta do verdadeiro significado deles. Pensa que genocida, fascista e nazista é a mesma coisa que "aquela pessoa que pensa diferente de mim."  Acusar alguém dessas coisas é a pior coisa que pode ser dita a respeito de alguém. É preferível ser um assassino comum a ser um genocida, nazista ou fascista. 

Hoje em dia, fala-se muito de respeito. Mas as pessoas que gostam de usar esta palavra contra os outros, se esquecem, elas mesmas, de usá-la na própria vida. Normalmente, esbravejam palavrões e ofensas graves a fim de se referirem aos "outros", aos que discordam delas, mas fingem-se escandalizadas quando escutam palavrões em uma reunião que deveria ter sido mantida secreta. 

Vivemos em um país cujas liberdades estão ameaçadas por um pequeno grupo de pessoas que acham que não precisam respeitar as leis e as instituições. Um bando de abutres enlouquecidos, encolerizados, cheios de ressentimentos e de ódio porque sabem que estão perdendo terreno e temem perder suas regalias. 

Mas o povo já não é mais o mesmo, e não vai aceitar tudo pacatamente. 

Quero ter assegurado o meu direito de ver governar o candidato no qual eu votei - e que venceu as eleições legitimamente. Posso não apoiar tudo o que ele diz, mas ninguém apoia ninguém cem por cento em tudo - nem mesmo dentro da família ou dos relacionamentos íntimos.

Espero que o Presidente da República Jair Messias Bolsonaro consiga encontrar uma maneira de governar. Não é possível o que está acontecendo! Não pode haver democracia em um país onde um  ministro quer mandar mais que o próprio Presidente da República.

Se você acusa alguém de ter votado em um fascista, nazista ou genocida, você está afirmando, com todas as letras, que pensa a mesma coisa desta pessoa. Se você pensa isso de mim, não fale comigo, não venha à minha casa, e não me cumprimente ao passar por mim. Poupe a si mesmo o constrangimento de me olhar nos olhos.





terça-feira, 16 de junho de 2020

UM MERGULHO PROFUNDO - PARA QUEM AINDA GOSTA DE LER







Esta é a capa do meu novo livro, disponível na amazon.com.br em dois formatos: e-book ou livro físico.

Trata-se de um livro no qual eu proponho reflexões, através de uma coletânea de poemas e crônicas, sobre o momento que estamos atravessando.

Sei que sou suspeita para falar, mas para mim, é o meu melhor livro - e também o mais longo: 254 páginas na versão paperback e 213 na versão e-book Kindle.

As crônicas e poemas encontram-se misturadas (não separei o livro em duas partes), pois achei que assim elas ficavam mais naturalmente dispostas dentro do livro, oferecendo um fator surpresa ao leitor: você lê uma ou duas crônicas, e de repente, depara com alguns poemas.

O livro pode ser aberto e lido ao acaso, pois os textos são completos em si. Verdadeiramente, um livro que eu amei fazer!

Quem desejar encomendar a versão paperback e estiver cadastrado no Amazon Prime, o envio é gratuito, sem frete. Ou você pode baixar e começar a ler imediatamente no seu leitor digital, celular, tablet ou computador.

A escolha da capa também foi feita com muito carinho. A mais bonita de todas!

Também disponibilizei em paperback a maioria dos meus livros que estão na Amazon. Quem quiser dar uma olhada, basta abrir o site da amazon - amazon.com.br - e digitar o meu nome na busca -  Ana Bailune - e encontrará todos eles lá, juntinhos.

Convido a todos que quiserem dar uma olhada, e agradeço a quem  comprar!





domingo, 7 de junho de 2020

AVISO AOS NAVEGANTES









AVISO AOS NAVEGANTES
 
Texto escrito a convite de Marília Paixão, em comemoração ao aniversário do BVIW
 
Ok, Existem algumas coisas sobre mim que você não sabe. Se quiser ser meu vizinho, vai precisar entende-las para não pensar que eu sou louca (ou então para ter certeza):

A primeira delas: eu falo com os meus cachorros. E não é nada como “Vem cá, Totó” ou algo assim. Eu converso mesmo. Pode ser que você me ouça discutindo com meu cachorro a respeito de algum assunto mais ou menos importante – a política mundial, a receita do bolo, o filme que assisti. 

A segunda coisa, é que às vezes, meus cachorros me respondem. Se você escutar uma voz que não é a minha, e nem a do meu marido, saiba que é a voz de um dos meus cães. Eles têm seus jargões caninos que só eu entendo. Pode parecer estranho no começo, mas com o tempo, você vai se acostumar.

A terceira coisa, é que eu falo com as minhas plantas e tenho mania de andar pelo jardim tendo longas conversas botânicas. Talvez você me veja ajoelhada no gramado, as mãos em volta de algum arbusto, parecendo murmurar algo – é que a planta em questão anda deprimida, e estou tentando reanima-la. Ou talvez você me veja recostada a um tronco de árvore de olhos fechados, os lábios se movendo. Não nos perturbe: estamos trocando conhecimentos. 

A quarta coisa, é que eu gosto de cantar. Às vezes, eu desafino, mas não estou nem aí. Especialmente quando eu estou cozinhando – portas e janelas da casa escancaradas, como sempre estão, mesmo quando está frio – eu coloco uma das minhas playlists no aplicativo e canto junto. Incomoda você? Não se preocupe: jamais faço isso após as dez da noite. 

A quinta coisa – e esta cada vez mais rara , é: eu cuido da minha própria vida, e costumo ser muito direta. Se eu convidar você para um café, o objetivo será somente este: tomar café e bater papo. Não é para falar mal de  outro vizinho ou perguntar sobre coisas íntimas da sua vida, ou contar sobre coisas íntimas da minha vida. Porque a sexta coisa que você precisa saber sobre mim, se quiser ser meu vizinho e se dar bem comigo, e esta:

Detesto fofoca. 



sexta-feira, 5 de junho de 2020

DESILUSÃO


 
Raspamos, ávidos, o fundo do tacho
Daquilo que resta do mundo.
É um recomeço ou um final de festa?
Recuo; já nem sei mais o que acho.
Tudo aquilo que aprendi, aprendi mal?
Nada sei, nada tenho a partilhar
Daquilo que me ensinaram,
Daquilo que descobri no meu inferno
E do que bebi do meu graal?
Apontam dedos pontiagudos
Para o meu nariz curioso e inquieto,
Apontam sem dúvidas, ríspidos e retos,
Dizem-se da sabedoria oriundos.
Vejo desmancharem-se as vestes dos gurus,
Vejo, sob as máscaras, os olhos fundos
E as olheiras.
Os dentes que sorriem não se coadunam
Com o sangue nos olhos.
As bênçãos que proferem são rasteiras,
Rançosos os óleos.
A paz é uma prostituta de rua,
Oferecendo seus serviços a quem quiser comprar,
O troco, é a guerra – moeda crua
Que muitos estão a aceitar.
-Me diga: aonde vamos, nesses tempos loucos?
Porque se somos muitos, apenas poucos
Ainda entendem, ainda sentem
A força e a necessidade de amar!




quarta-feira, 3 de junho de 2020

FAKE NEWS




Hoje em dia,
As pedras atiradas
São mais pontiagudas:
Não querem só ferir,
E sim matar.
As cores das tintas
São fortes, absurdas,
As traves nos olhos
Mais evidentes,
Os sentimentos
Dormentes.
As línguas espalham sangue quente
Sobre corações de pedra pomes
Famintos e absorventes.



Aproveito para convidá-los a assistirem ao meu novo vídeo, que fala exatamen te sobre esse momento conturbado que vivemos na saúde, na política e nos relacionamentos. Eis o link:













quarta-feira, 27 de maio de 2020

SEGREDO








És qual um pequeno inseto
Que bate na vidraça
E eu quase nem percebo.

És uma vil palavra
Que surge, e que eu renego
Por orgulho ou por medo,
Mas ao cair, se arrasta
Por sobre minhas pernas
Me rasga e reproduz
Esse poema de arrego.

És uma lembrança triste
Da qual eu sempre me esqueço
Quando alguém está olhando,
Mas assim que eu fico só
Mergulho fundo no teu pó
Para ver se ainda existe
Meu rosto, em teu degrêdo.



quarta-feira, 20 de maio de 2020

MINHA CASA







Minha casa ficava bem aqui,
Entre o cipreste e o ipê amarelo,
Ao norte do Cruzeiro do Sul,
No caminho sob o céu azul.

Ali, naquele jardim,
Balancei na rede os meus sonhos,
Reguei flores da vida que eu plantei num canto,
Ri alguns risos, enxuguei algum pranto.

Naquela sala, agora vazia,
Sobre a estante, descansam os mesmos livros
Por onde meus olhos rolaram, atentos,
Aprendendo a criar doces momentos.

Vês essa escada de madeira?
Ela conduz ao meu dormitório
Onde eu colecionava minhas lembranças
Em noturnas andanças e sonhos aleatórios.

Não perca, da varanda, a linda vista
Que se estende por sobre os telhados das casas!
Montanhas e árvores - algumas não mais existem
Ali me sentei para ser alegre, e para ser triste.

Esta era a casa onde eu morava,
Que eu tanto cuidei, que eu tanto amava,
E hoje, por ela vaga, cansado,
Meu fantasma solitário, o meu miasma.