sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Guardados




Um dia, 
Arrancou do anel as pedrarias,
Pois feriam-lhe os olhos,
Arranhavam-lhe a alma,
E algumas, eram falsas.

Arrancou-as, mas não pôde, simplesmente,
Jogá-las no fundo de um lago:
Cravejou com elas o próprio coração
Que ficou sempre pesado.

Um dia,
Acreditou que era possível não sentir,
Não ser, não tocar, não ouvir,
Esquecer as turmalinas e esmeraldas,
Os diamantes e ametistas falsas,
As zircônias de beiradas quebradas,
As turquesas opacas...

Mas o coração, para sempre cravejado,
Batia num compasso amordaçado,
Sonhava com o dia em que as aragens
De um oceano estagnado
Enferrujariam, finalmente,
As suas engrenagens...


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Natimorto







Gerou um sonho em silêncio,
(Aspiração invejosa)
Entre as linhas sinuosas
De uma "glamorosa" vida:

-Pesadelo!
Pariu uma aberração
-Graças a Deus, natimorto,
Uma simples tentativa...




terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Já receberam a nova política do blogger?




Política de conteúdo adulto no Blogger

A partir de 23 março de 2015, não será mais possível compartilhar publicamente imagens e vídeos que sejam sexualmente explícitos ou mostrem nudez de forma ostensiva no Blogger.

Observação: a nudez ainda será permitida se o conteúdo oferecer um benefício público importante, por exemplo, em contexto artístico, educacional, científico ou de documentário.

As alterações que você verá em seus blogs

Se seu blog já existente não tem nenhuma imagem ou vídeo de sexo explícito ou nudez ostensiva, você não notará nenhuma alteração.

Mas se ele tiver, passará a ser privado a partir de 23 de março de 2015. Nenhum conteúdo será excluído, mas o conteúdo privado só pode ser visto pelo proprietário, por administradores do blog e pelas pessoas com quem o proprietário compartilhou o blog.

Configurações que você pode atualizar para os blogs existentes

Se seu blog foi criado antes de 23 de março de 2015 e apresenta conteúdo que viola nossa nova política, você tem algumas opções para alterá-lo antes do início da nova política:

Remover do blog as imagens ou os vídeos sexualmente explícitos ou com nudez ostensiva
Marcar seu blog como privado
Se você preferir desativar seu blog por completo, é possível exportá-lo como um arquivo .xml ou arquivar o texto e as imagens do blog usando o Google Takeout.

Efeito sobre novos blogs

Para todos os blogs criados após 23 de março de 2015, poderemos remover o blog ou tomar outras medidas se ele incluir conteúdo sexualmente explícito ou nudez ostensiva, conforme explicado na nossa política de conteúdo.





Achei válido, pois às vezes acontece de clicarmos desavisadamente em algum link da lista de leituras e depararmos com imagens nada encantadoras... principalmente quando estamos dando uma olhadinha nos blogs enquanto, por exemplo, os alunos fazem seus exercícios de gramática. Pensem bem na situação: a tela do meu computador tem 23 polegadas, e tudo o que é acessado através dele fica totalmente visível para todos os que estão no espaço! 

Foi incluída em minha lista de leituras um blog que jamais assinei e que não sigo, e ele sempre traz imagens de sexo explícito. Nada tenho contra quem as posta ou quem goste de vê-las, mas acho que as pessoas tem o direito de não vê-las se assim não desejarem.

O que vocês acham?

ESPALHAFATOSA!








Eu pinto de rosa-choque
As paredes e o chão.
Eu uso um longo vestido
Com as cores do arco-íris,
Muitas flores no cabelo...
-Mas só na imaginação!

Espalho letras e nomes
Pelas paredes da casa,
Escrevo tantas palavras,
Que nem sei por onde andam,
Se vivem, ou morrem de fome...
-E só por satisfação!

Se eu brilho ou se eu ofusco,
É por minha conta e risco,
E se eu mergulho bem fundo
De cabeça, entre arrecifes,
É porque tenho cacife,
-Me entrego de coração!

Eu só sei que nada sei,
E para mim, já está bom;
Não seguro, em minhas mãos,
As tais rédeas da verdade,
Não sou menos, não sou mais,
Eu sou apenas mais uma,
-E tenho alguma saudade...

Gosto de esmalte nas unhas,
Do vermelho ao prateado,
Azul, verde, cor-de-rosa,
Gosto de bijuterias,
Se pudesse, trocaria
Os meus dias pelas noites,
Pois sou espalhafatosa!


th_e46b496fa1a0539e296d5f99a99ed9af_pear
imagem: Google

sábado, 21 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

METÁFORA






A minha meta
É imensurável, 
Não há medidas
Para o impalpável. 

Tocar o céu,
Sumir na terra,
Ou desmanchar-me
Num vento pálido...

E pouco a pouco,
Imensamente
Em cima, embaixo,
De trás pra frente...

Pouco me importa
O que se esconde
E surge assim,
Tão de repente!

Mas fotografo:
Olhar atento
Nada me escapa,
Mas nada faço...

E digo menos
Do que eu penso,
E penso mais
Do que eu digo!

Levo comigo
Palavras soltas
Entre os cabelos
No céu da boca...



terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

FATALIDADE






Um dia,
Esse beijo, meu anseio,
Queimará o meu rosto,
E esses braços
Que hora me acolhem
Num terno abraço,
Serão meu sufoco.

As mãos que me acariciam
Um dia, atirarão pedras
No meu dorso nu.
A voz que me tranquiliza,
Gritará palavras
Que soarão doloridas
Aos meus ouvidos...

E depois, transido de dor
E de arrependimento,
Pedirás desculpas,
E eu te desculparei,

Pedirás um abraço,
E eu te abraçarei,
Pedirás o meu beijo,
E eu te beijarei,
Pedirás um afago,
E eu te afagarei...

Mas tome cuidado,
Pois não haverá outra chance,
Só esta,
Que te darei.

E te darei
Porque te amo,
Só porque te amo,
Só porque...





LEVEZA


Imagem: Google




Andar descalça sobre a grama,
Apreciar a natureza,
As barras do vestido roçando de leve
A beleza...

Cabelos penteados pelo vento,
Que sopra segredos aos nossos ouvidos...
E de repente,
Tudo faz sentido,
Tudo está exatamente como deve:

Asa de borboleta pousada na folha,
Fiapo de nuvem na tarde azul
Passa, tocando o tempo tão breve.

Pássaro afoito no galho do cedro,
Grito cortante que sai do seu bico
Dividindo a vida ao meio:

Metade presente, metade passado,
E o riso discreto da tranquilidade
Enquanto eu sonho ao seu lado.





segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

PASSOS




...E eu tenho seguido na estrada
As marcas dos meus próprios passos.
Conheço bem minhas pegadas,
As curva do caminho, os traços,
As pedras...

E as pedradas.


Faço e desfaço
Trilhas e laços,
Sei eu do que falo - só eu sei,
E a quem tenta explicar-me,
Embaraço.


Não nego minhas quedas,
Nem tento provar
O que eu nunca faço.


De nada me importam
As esquisitices
E as mesmices
E as conclusões
Baseadas em especulações.


Só sei do meu caminho,
Só sei de mim mesma,
Não faço discursos
Sobre a lerdeza da lesma,


Pois ela só se arrasta pela cerca
Deixando o brilho viscoso do seu traço
Por onde eu sigo,
Por onde eu passo.



sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

FALA




Por que te engasgas tanto
Com a minha fala
Se ela é tão seca, tão fria, tão rala?

Te arranhas toda,
Medindo com teus passos, a extensão da sala...
E te imolas, e te matas, e repetes
Mentalmente, sem descanso,
Aquilo que combates...

Por que te irritas tanto
Com meu riso, com meu pranto?
Prometo; não vale a pena
Essa tua comovida dedicação
Àquilo que tanto te depena!

Saio de cena; quem sabe
Esse gosto forte de vinagre
Que disfarças com colheradas generosas
De mel e açúcar cristal,
De bem que suplanta "O Mal"
Estanquem a tua fome diária
Por mais que esta se agrave
Quanto mais sorves
As minhas palavras?



quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

...E os Animais?





A todo momento, deparamos com cenas terríveis postadas em fotos e vídeos na internet sobre maus tratos aos animais. São pequenos cães sofrendo ataques de pessoas brutais e desumanas, cavalos puxando carroças cujo peso é bem maior do que eles normalmente suportariam, animais sendo maltratados a fim de gerar lucros em um circo quando deveriam estar correndo livres pelas selvas, pássaros presos em gaiolas minúsculas ou acorrentados a um poleiro longe de seu ambiente natural, ou então apertados dentro de malas e recipientes ao serem traficados ilegalmente. Vemos cenas de cães sendo caçados impiedosamente no Chile ou sendo massacrados e devorados em restaurantes na China. Vemos o gado tratado cruelmente, encurralados em espaços apertados para que não criem músculos e a carne permaneça 'macia.' 

Ninguém gosta de ver estas cenas. Eu não gosto. Preferiria viver em um mundo onde estas coisas não acontecessem.


Mas elas acontecem. Todos os dias. Neste exato momento, pode haver uma macaca sendo utilizada como escrava sexual em algum país distante. Talvez haja um cão sendo maltratado na casa vizinha à sua. Talvez você o escute chorar de medo, fome ou dor, mas ache melhor "não se meter em assuntos que não lhe dizem respeito." E ele continuará chorando, até que alguém o resgate ou ele morra; pior ainda, poderá viver anos e anos nestas condições - sendo surrado, humilhado, ficando na chuva e no sol, passando frio, fome ou sede porque você achou melhor não se meter nesses assuntos. 


E aí você se pergunta: "Mas o que eu posso fazer?" Talvez você não seja do tipo de pessoa que sai por aí fazendo passeatas a favor dos direitos dos animais, ou quem sabe, você não tenha condições de adotar todos os cães perdidos do mundo. Certamente, você aplaude pessoas como Luisa Mel, que é uma conhecida ativista, ou grupos como a a PETA - People for the Ethical Treatment of Animals - que combate as experiências em laboratório feitas através de animais. Se você for assim, então você é como eu. Também não tenho condições de recolher todos os animais abandonados do meu bairro, e não tenho tempo ou dinheiro disponíveis para dedicar-me a passeatas ou fundar ONGS. 

Mas há algumas coisas que eu e você podemos fazer: conscientizar as pessoas de que estas coisas existem. Muitas vezes, achamos que a nossa assinatura em uma petição simboliza muito pouco nessa caminhada em defesa aos direitos dos animais, mas não é verdade. Quando estas petições nos chegam, é porque as pessoas estão sendo informadas e convidadas a ajudar a mudar a cabeça das pessoas responsáveis por essas atrocidades, e ao mesmo tempo, obrigar os governos e instituições responsáveis a fazerem alguma coisa para ajudar esses animais.

Oferecer comida a um animal faminto, mesmo que você não possa ficar com ele, ou encaminhá-lo a uma associação protetora, poderá salvar-lhe a vida. Gestos que nada custam. Se você puder gastar um pouquinho, poderá comprar comida para cães e gatos e levar até estas instituições, ou pagar por uma ou duas consultas ou procedimentos cirúrgicos. Sempre há alguma coisa que possamos fazer. 

Escrever sobre os animais e suas necessidades também poderá ajudar, mesmo que apenas poucas pessoas leiam, pois quem sabe, elas poderão comentar com alguém ou partilhar o texto em uma rede social, chamando a atenção das pessoas certas para resolver o problema. Daí, um pequeno gesto pode ter alguma repercussão. 

Uma vez eu recebi um comentário mal-criado por ter colocado em um dos meus blogs uma foto onde um grupo de adolescentes maltratavam gatos. A pessoa comentou algo mais ou menos assim: "Prefiro partilhar coisas mais positivas com os meus leitores." Eu também prefiro. Mas enterrar a cabeça na areia e fingir que o mundo é uma festa não vai ajudar a fazer com que absurdos assim deixem de acontecer. É bem mais fácil fingir que o problema não existe. Eu mesma já apaguei de minha página no Facebook várias fotos e vários vídeos que mostram aberrações maltratando animais, simplesmente porque  achei que eles eram apenas sensacionalismo - muitos dos vídeos eram de anos atrás. Mostrar violência apenas para promover-se é o mesmo que colaborar com ela. Mas se ela estiver acontecendo agora, quem sabe possamos pará-la? 

Da próxima vez que surgir na sua frente uma petição pelos animais, assine-a. Leva só alguns minutos. Se ouvir um cão chorando muito na vizinhança, vá ver o que é. Se passar por um animal faminto, dê-lhe um pouco de comida. Se passar por alguém que esteja abusando de um animal, denuncie. Bote a boca no mundo! Um pequeno gesto pode ser o gatilho para que grandes mudanças ocorram no mundo. O importante, é fazermos a nossa parte, mesmo que ela pareça representar uma pequena gota d'água sendo carregada no bico de um pássaro para apagar um grande incêndio na floresta.

______________________________

Este texto faz parte do meu novo blog, o Projeto Araras. Ele é uma iniciativa de Maurício Azevedo, da OPB (Organização dos Poetas do Brasil) para conscientizarmos as pessoas sobre problemas ambientais. Visitem, e tornem-se nossos seguidores. 




quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

NUNCA







"Nunca" é uma palavra truncada,
Algemada fortemente a um não 
Arranha, sem dó, um coração 
E deixa todas as bocas caladas...


"Nunca" é palavra definitiva,
E é para sempre, se proferida,
Limite, cerca, porta fechada,
Nada mais promete, e não quer nada...

Nunca digo nunca; tenho medo
Desse sombrio degredo que ele guarda,
"Talvez" pode ser melhor palavra,
Ou quem sabe o silêncio e o segredo...



terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Pétalas




Pétalas caem no chão frio...
São levadas pelo vento,
Vão pousar na correnteza
De um impiedoso rio.


Vou com elas; nada sou,
Meu perfume feneceu...
 A flor amarela secou
No jardim onde cresceu.



segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Solitária Alma





Cansei de bater, cansei...



-Não, eu não fechei as portas,
Eu apenas as tranquei...
E aquela luz já mortiça, 
Com um leve sopro, apaguei!


Não foi preciso varrer
Tentando, assim apagar
As pegadas do caminho:
Elas já estavam ausentes.


Nem foi preciso morrer...
-Eu já estava mesmo morta,
Esquecida para sempre
Nos corações que eu amei,
Apenas me sepultei...


Cobri de terra o restante
Daquilo que eu achava ter sido,
E nem uma prece eu ouvi
Dos seus lábios ressequidos!


Acho até que nem notaram,
Que não fizeram questão...
Nem sequer sentiram a falta
De quem nunca precisaram!


Suas vidas continuam,
Continua a minha morte...
O cordão era tão fraco,
Que nem sentiram-lhe o corte!


Talvez alguma lembrança
De quem fui, tenha ficado
Ou meu fantasma 'inda assombre
O espaço inabitado...



E naquela fotografia,
Daqui a anos e anos,
Quando alguém me apontar
Indagando quem eu fui,


Uma sobrancelha erguida
De repente, lembrará
De quem fui quando era viva
E então responderá:



"Esta passou por aqui,
Mas nunca teve importância,
Confesso que não percebi
Sua ausência, sua distância...



Nenhuma falta nos fez,
Não deixou nada de bom...
Sei que tinha um estranho dom
Que ninguém compreendia,



Só sei que não se encaixava;
As linhas da sua vida
Estranhavam nossas palmas,
Eu não sei por onde anda
Essa solitária alma..."



A distância é muito longa,
Os caminhos se ornaram
De espinhos e silêncios...
E hoje, nem mesmo o vento
Poderá atravessá-los.




terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

O TRIBUNAL



Passou a vida preparando mil perguntas,
E viu que não havia respostas.
Elaborou mil teorias sobre tudo,
Mas todas eram tortas!
Quis dissecar a borboleta do viver,
Que escapou entre seus dedos...
Tentou passar pela existência sem sofrer,
Mas a dor não deixou!

Compreendeu que só valeu pelo que amou,
Que quem pecou nem precisava de perdão...
E as orações que tanto fez, quem escutou?
O mesmo anjo que assistiu quem não  amou!
Não houve nunca aquela porta que fechou,
Nem se feriu a alma que se rebaixou,
E a verdade era tão simples, tão comum,
Que dissolveu-se nas palavras que falou!
Nunca venceu, nunca perdeu, não houve lutas,
Nem as disputas que assim imaginou,
Sob uma capa de silêncio pereceram
Todo o orgulho e a humildade que almejou!


Passou a vida preparando sua defesa
E acusações contra o que achava ser  "O Mal"
Mas ao sentar-se cara a cara com a verdade,
Compreendeu que não havia um tribunal!

Ah, vida, ah, vida, ah, vida!
Ruínas do bem e do mal!
Nem sempre justa, nem sempre longa,
Mas sempre vida!...



Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...