sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Guardados




Um dia, 
Arrancou do anel as pedrarias,
Pois feriam-lhe os olhos,
Arranhavam-lhe a alma,
E algumas, eram falsas.

Arrancou-as, mas não pôde, simplesmente,
Jogá-las no fundo de um lago:
Cravejou com elas o próprio coração
Que ficou sempre pesado.

Um dia,
Acreditou que era possível não sentir,
Não ser, não tocar, não ouvir,
Esquecer as turmalinas e esmeraldas,
Os diamantes e ametistas falsas,
As zircônias de beiradas quebradas,
As turquesas opacas...

Mas o coração, para sempre cravejado,
Batia num compasso amordaçado,
Sonhava com o dia em que as aragens
De um oceano estagnado
Enferrujariam, finalmente,
As suas engrenagens...


AS PERGUNTAS DA VIDA






TRECHOS DE "AS PERGUNTAS DA VIDA" - POR FERNANDO SAVATER


"O homem parece ser o único animal que pode ficar descontente consigo mesmo. O arrependimento é uma das possibilidades sempre abertas à autoconsciência do agente livre. Mas, se somos naturalmente livres, como podemos nos arrepender daquilo que fazemos com nossa liberdade natural? Como pode o desenvolvimento do que naturalmente somos trazer-nos conflitos íntimos? Devemos então, agora, elucidar qual é  a nossa natureza e que sentido tem a noção de "natureza" para nós, os animais capazes de consciência pesada."








"Dizer 'Deus criou o mundo do nada' é tão explicativo quanto afirmar 'não sabemos quem fez o mundo, mas sabemos como pôde fazê-lo. ' Mas, quando se referem ao tema da origem, os cientistas costumam incorrer em paradoxos não muito diferentes dos teológicos. Segundo a teoria do big-bang, por exemplo, o universo se expande a partir de uma explosão  inicial, uma singularidade irrepetível que não se deu em um ponto do espaço e um momento do tempo, e sim, a partir da qual começou a se abrir o espaço e a correr o tempo.  Bem, pois também não é muito claro. Para que haja uma explosão inicial, por mais metafórica que ela seja, algo deve explodir nela; talvez a explosão desse 'algo' seja a origem das nebulosas, galáxias, buracos negros e demais objetos que bem ou mal conhecemos (incluindo no lote nós mesmos), mas então de onde saiu esse 'algo?' ; explodiu quando explodiu , e não antes ou depois? Etc, etc... Vistos os resultados dessas indagações, não será melhor deixarmos de nos fazer essas perguntas ou voltarmos aos mitos para lhes responder poeticamente? No entanto, por acaso podemos deixar de fazê-las?"






Viver Juntos

Ninguém chega a se tornar humano se está sozinho. Nós nos fazemos humanos uns aos outros. Fomos "contagiados" por nossa humanidade: é uma doença mortal que nunca teríamos desenvolvido se não fosse pela proximidade de nossos semelhantes! Foi-nos passada boca-a-boca, pela palavra, mas antes ainda pelo olhar: quando ainda estamos muito longe de saber ler, já lemos nossa humanidade nos olhos de nossos paios ou de quem cuida de nós em seu lugar. É um olhar que contém amor, preocupação, censura ou zombaria: ou seja, significados. E que nos tira de nossa insignificância natural para nos tornar humanamente significativos. Um dos autores contemporâneos que tratou o tema com mais sensibilidade , Tzevetan Todorov, expressa-o assim: "A criança procura captar o olhar de sua mãe não só para que esta acuda para alimentá-la ou reconfortá-la, mas porque esse olhar em si mesmo lhe traz um complemento indispensável: confirma-a em sua existência. [...] Copmo se soubessem a importância desse momento - embora não seja assim - o pai ou  a mãe e o filho podem olhar-se nos olhos longamente; essa ação seria completamente excepcional na idade adulta, quando um olhar mútuo de mais de dez segundos não pode significar mais do que duas coisas: que duas pessoas vão brigar ou fazer amor." "



quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Casa Vazia





Nas duas ocasiões em que estávamos procurando casa para comprar há alguns anos, tive a chance de entrar em várias casas vazias. Incrível perceber que nem todas estavam tão vazias assim; é que os antigos donos sempre deixavam algo para trás: um vaso de plantas, uma vassoura velha, algumas louças talvez.

Nesta aqui, quando a compramos, encontramos, entre outras coisas, um cestinho de madeira envernizada com uma pintura de flor. A alça também é de madeira. Dentro dele, havia várias chaves diferentes que não se encaixavam em porta nenhuma. Bem, livramo-nos das chaves mas até hoje, onze anos depois, mantemos o cestinho na adega. Ficou como lembrança da ex-proprietária, uma senhora já falecida agora. Acho que objetos assim fazem parte da história da casa, e gosto de manter alguns.

Quando nos mudamos da outra casa, também deixei algumas coisas para trás. Não sei o que foi feito delas, mas não as quis mais, então deixei-as lá. Alguns objetos apenas, que poderiam ser facilmente descartados se o novo proprietário não os quisesse. 

Lembro-me de que esvaziar a casa antiga foi muito alegre; colocamos tudo no caminhão para arrumar na casa nova. Mas à noite, decidi que queria ir lá para me despedir, e daí, não sei o que me deu: comecei a chorar sem parar! Quando já estávamos indo embora, parei na escada e olhei para trás, para o contorno da casa desenhado contra o céu noturno crivado de estrelas. A varanda vazia, já sem a minha rede. As roseiras tão bem cuidadas que eu estava deixando para trás, abandonando... nossa, chorei muito. Pensei na primeira manhã em que acordei naquela casa, a estranheza de olhar em volta e achar tudo tão enorme, após morar sete anos em um apartamento tão pequeno. O cheiro do primeiro café que preparei naquela manhã gelada de inverno, e ainda de pijamas, ir até a sala de jantar e ver as caixas de papelão ainda cheias, as coisas para arrumar.

 Meu marido não conseguia entender o motivo do meu choro, e eu não sabia colocá-lo em palavras. Mas é que eu olhava para a casa, e vinham à minha mente cenas alegres que eu tinha vivido ali: momentos de ouvir música balançando na rede daquela varanda, ou tomar sol nos fundos da casa, completamente nua ( a parte de trás da casa era totalmente isolada). Momentos de fazer colares na mesa da sala de jantar ou de ficar acordada até tarde nas noites de sábado assistindo a filmes na TV. Momentos em que recebemos pessoas ali, no ano novo, em aniversários, almoços... e quando, nas noites de verão, levávamos o Aleph (nosso falecido Rottweiler, ainda filhote na época) lá para fora e nos deitávamos no chão ainda morno de sol, olhando estrelas. 

E sempre que eu passo por aquela casa, sinto que ela ainda é minha, embora tenha tido pelo menos quatro proprietários desde que nos mudamos, e o último modificou-a totalmente. Mas eu vivi nela durante sete anos, parte da minha vida ficou entre aquelas paredes.

Um dia, acho que nos mudaremos desta casa, pois ela é grande demais para um casal de idosos - que é o que, em breve, nos tornaremos. Sei que será mais uma sessão de choros e lembranças. Deixarei aqui as almas dos meus quatro cães e da minha mãe; ficará também o meu sobrinho Ricardo, sentado na grama, sonhando com o dia em que ficaria curado do seu câncer e poderia brincar de correr com os cães (isso nunca aconteceu). Ficará a alma do meu sogro, que nos ajudou a comprá-la emprestando parte do dinheiro. Ficarão os senhores que construíram a escada de madeira que leva ao andar superior - todos já morreram. E é claro, ficará um pedaço da gente.



quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Natimorto







Gerou um sonho em silêncio,
(Aspiração invejosa)
Entre as linhas sinuosas
De uma "glamorosa" vida:

-Pesadelo!
Pariu uma aberração
-Graças a Deus, natimorto,
Uma simples tentativa...




terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Já receberam a nova política do blogger?




Política de conteúdo adulto no Blogger

A partir de 23 março de 2015, não será mais possível compartilhar publicamente imagens e vídeos que sejam sexualmente explícitos ou mostrem nudez de forma ostensiva no Blogger.

Observação: a nudez ainda será permitida se o conteúdo oferecer um benefício público importante, por exemplo, em contexto artístico, educacional, científico ou de documentário.

As alterações que você verá em seus blogs

Se seu blog já existente não tem nenhuma imagem ou vídeo de sexo explícito ou nudez ostensiva, você não notará nenhuma alteração.

Mas se ele tiver, passará a ser privado a partir de 23 de março de 2015. Nenhum conteúdo será excluído, mas o conteúdo privado só pode ser visto pelo proprietário, por administradores do blog e pelas pessoas com quem o proprietário compartilhou o blog.

Configurações que você pode atualizar para os blogs existentes

Se seu blog foi criado antes de 23 de março de 2015 e apresenta conteúdo que viola nossa nova política, você tem algumas opções para alterá-lo antes do início da nova política:

Remover do blog as imagens ou os vídeos sexualmente explícitos ou com nudez ostensiva
Marcar seu blog como privado
Se você preferir desativar seu blog por completo, é possível exportá-lo como um arquivo .xml ou arquivar o texto e as imagens do blog usando o Google Takeout.

Efeito sobre novos blogs

Para todos os blogs criados após 23 de março de 2015, poderemos remover o blog ou tomar outras medidas se ele incluir conteúdo sexualmente explícito ou nudez ostensiva, conforme explicado na nossa política de conteúdo.





Achei válido, pois às vezes acontece de clicarmos desavisadamente em algum link da lista de leituras e depararmos com imagens nada encantadoras... principalmente quando estamos dando uma olhadinha nos blogs enquanto, por exemplo, os alunos fazem seus exercícios de gramática. Pensem bem na situação: a tela do meu computador tem 23 polegadas, e tudo o que é acessado através dele fica totalmente visível para todos os que estão no espaço! 

Foi incluída em minha lista de leituras um blog que jamais assinei e que não sigo, e ele sempre traz imagens de sexo explícito. Nada tenho contra quem as posta ou quem goste de vê-las, mas acho que as pessoas tem o direito de não vê-las se assim não desejarem.

O que vocês acham?

ESPALHAFATOSA!








Eu pinto de rosa-choque
As paredes e o chão.
Eu uso um longo vestido
Com as cores do arco-íris,
Muitas flores no cabelo...
-Mas só na imaginação!

Espalho letras e nomes
Pelas paredes da casa,
Escrevo tantas palavras,
Que nem sei por onde andam,
Se vivem, ou morrem de fome...
-E só por satisfação!

Se eu brilho ou se eu ofusco,
É por minha conta e risco,
E se eu mergulho bem fundo
De cabeça, entre arrecifes,
É porque tenho cacife,
-Me entrego de coração!

Eu só sei que nada sei,
E para mim, já está bom;
Não seguro, em minhas mãos,
As tais rédeas da verdade,
Não sou menos, não sou mais,
Eu sou apenas mais uma,
-E tenho alguma saudade...

Gosto de esmalte nas unhas,
Do vermelho ao prateado,
Azul, verde, cor-de-rosa,
Gosto de bijuterias,
Se pudesse, trocaria
Os meus dias pelas noites,
Pois sou espalhafatosa!


th_e46b496fa1a0539e296d5f99a99ed9af_pear
imagem: Google

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Onde Você Mora?





Dizem que o lar é onde o coração está. O coração pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo? Podemos ser cidadãos do mundo? 

Tem muita gente que consegue; mas sinceramente, este perfil não combina comigo. Sou mulher de uma casa só. Sinto-me bem onde estão minhas raízes, minhas coisas, meus livros e discos, fotos e memórias. Não sou melancólica ou ligada a bens materiais, mas adoro a ilusão de pertencer a um lugar.

Gosto de viajar. Posso passar algum tempo longe, mas sabendo que tenho para onde voltar, e num quarto de hotel, pouco antes de dormir, gosto de saber que em algum pontinho desse imenso planeta, existe uma casa que é minha, e que me aguarda...

Sinto-me inteira e conectada quando estou em casa. Toda casa tem um cheiro que nenhum lugar do mundo tem. Esse cheiro só existe nela. E as cobertas também tem um toque diferente, o quebradinho na parede para onde a gente fica olhando assim que acorda, o canto dos habituais passarinhos na árvore próxima (e em nenhuma outra árvore eles cantam do mesmo jeito), as vozes dos vizinhos conversando na rua, os cães latindo no quintal, enfim, tudo isso chama-se lar.





MOLDURA




A moldura
Era mais valiosa
Do que a foto
Que emoldurava.


dream_weaver_by_night_fate.jpg
imagem: Google

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

METÁFORA






A minha meta
É imensurável, 
Não há medidas
Para o impalpável. 

Tocar o céu,
Sumir na terra,
Ou desmanchar-me
Num vento pálido...

E pouco a pouco,
Imensamente
Em cima, embaixo,
De trás pra frente...

Pouco me importa
O que se esconde
E surge assim,
Tão de repente!

Mas fotografo:
Olhar atento
Nada me escapa,
Mas nada faço...

E digo menos
Do que eu penso,
E penso mais
Do que eu digo!

Levo comigo
Palavras soltas
Entre os cabelos
No céu da boca...



terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

FATALIDADE






Um dia,
Esse beijo, meu anseio,
Queimará o meu rosto,
E esses braços
Que hora me acolhem
Num terno abraço,
Serão meu sufoco.

As mãos que me acariciam
Um dia, atirarão pedras
No meu dorso nu.
A voz que me tranquiliza,
Gritará palavras
Que soarão doloridas
Aos meus ouvidos...

E depois, transido de dor
E de arrependimento,
Pedirás desculpas,
E eu te desculparei,

Pedirás um abraço,
E eu te abraçarei,
Pedirás o meu beijo,
E eu te beijarei,
Pedirás um afago,
E eu te afagarei...

Mas tome cuidado,
Pois não haverá outra chance,
Só esta,
Que te darei.

E te darei
Porque te amo,
Só porque te amo,
Só porque...





LEVEZA


Imagem: Google




Andar descalça sobre a grama,
Apreciar a natureza,
As barras do vestido roçando de leve
A beleza...

Cabelos penteados pelo vento,
Que sopra segredos aos nossos ouvidos...
E de repente,
Tudo faz sentido,
Tudo está exatamente como deve:

Asa de borboleta pousada na folha,
Fiapo de nuvem na tarde azul
Passa, tocando o tempo tão breve.

Pássaro afoito no galho do cedro,
Grito cortante que sai do seu bico
Dividindo a vida ao meio:

Metade presente, metade passado,
E o riso discreto da tranquilidade
Enquanto eu sonho ao seu lado.





O que os pensadores pensam sobre a natureza?







Do site O Pensador, palavras de grandes pensadores sobre a natureza:



"Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência. Se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não havia pobreza no mundo e ninguém morreria de fome."
Mahatma Gandhi





"A natureza fez o homem feliz e bom, mas a sociedade deprava-o e torna-o miserável."
Jean-Jacques Rousseau






"Se vives de acordo com as leis da natureza, nunca serás pobre; se vives de acordo com as opiniões alheias, nunca serás rico."
Sêneca






"A natureza não faz nada em vão."
Aristóteles






"O mundo tornou-se perigoso, porque os homens aprenderam a dominar a natureza antes de se dominarem a si mesmos."
Albert Schweitzer







"Quando as aves falam com as pedras e as rãs com as águas - é de poesia que estão falando."
Manoel de Barros






"A arte é um resumo da natureza feito pela imaginação."
Eça de Queiroz






"A natureza tem perfeições que mostram que é a imagem de Deus, e defeitos que mostram que é apenas a imagem."
Blaise Pascal







"A constância é contrária à natureza, contrária à vida. As únicas pessoas completamente constantes são os mortos."
Aldous Huxley






"Nunca o homem inventará nada mais simples nem mais belo do que uma manifestação da natureza. Dada a causa, a natureza produz o efeito no modo mais breve em que pode ser produzido."
Leonardo da Vinci




"Um ser humano só cumpre o seu dever quando tenta aperfeiçoar os dotes que a natureza lhe deu."
Hermann Hesse







"A admiração é própria da natureza do filósofo; e a filosofia deriva apenas da estupefacção."
Platão







"Adote o ritmo da natureza. O segredo dela é a paciência."
Ralph Emerson






"Nós seres humanos, estamos na
natureza para auxiliar o progresso
dos animais, na mesma proporção
que os anjos estão para nos auxiliar.
Portanto quem chuta ou maltrata um
animal é alguém que não aprendeu a
amar."
Chico Xavier






"Tudo o que nasce deve morrer, passando pela natureza em direção à eternidade."
William Shakespeare







"A natureza esconde seu segredo porque é sublime, não por astúcia."
Albert Einstein





“Aquilo que é impenetrável para nós
existe de fato. Por trás dos segredos da natureza há algo sutil, intangível e inexplicável. A veneração a essa força que está além de tudo o que podemos compreender é a minha religião.”
Albert Einstein







"A natureza dá a cada época e estação algumas belezas peculiares; e da manhã até a noite, como do berço ao túmulo, nada mais é que um sucessão de mudanças tão gentis e suaves que quase não conseguimos perceber os seus progressos."
Charles Dickens






"O que de mais alto recebemos de Deus e da Natureza é a vida, o movimento de rotação em torno de si mesmo, o qual não conhece descanso, nem repouso."
Johann Goethe





"O mal é necessário. Da mesma forma que o bem, tem a sua nascente profunda na natureza, e um não poderia exaurir-se sem o outro."
Anatole France






"Se afastas a natureza com um cercado, ela retorna."
Horácio




"Escute os sons da natureza e da mesma forma escute as pessoas. Escute sem impor coisa alguma ao que você está escutando – não julgue, pois no momento em que você julga, a escuta cessa."
Osho





AH, OS ITALIANOS! - Parte I

Eu em Veneza - Gondoleiro! Durante nossa curta estadia na Itália, não ficamos em hotel. Alugamos um pequeno apart...