Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2014

No Silêncio

Imagem
No silêncio mais profundo, Daqueles, no qual se escuta O toque de um lenço que cai, É que eu encontro minha paz.
E sempre, e cada vez mais, Ando aprendendo que a vida De cada um, é o que pode, E o que precisa ser.
E o que eu não puder fazer, Não estando ao meu alcance, Deixarei sempre à deriva, À espera do momento Que arrebate aquele instante...
Sou bem menos que eu pensava, E acho que menos ainda Do que dizem que eu sou, E ainda bem menor É minha alma perdida Que caminha sem destino Nos corredores da vida...
Mas mesmo sendo uma chama Na qual, com orgulho, alguém pisa, Minha alma não se apaga: Sobrevive à queda livre Da intenção envenenada.







VELUDO

Imagem
Cresce um musgo verde
Macio e aveludado
Sobre tudo,
Sobre o muro,
Sobre as almas
Entre as palmas
E as palavras.



Suave ao toque,
Nem se percebe que ele é morte.
Mais parece um caminho
Enfeitado
Verdejante de vida.



Mas as borboletas não se enganam,
E flanam
Bem longe dali.



O musgo cresce sobre tudo,
Envolve o mundo,
Cobre de umidade a verdade,
Lastra sobre as bocas
E as cidades.



Disfarça em seu veludo
O absurdo e a falácia
E o quanto pode parecerer linda
A iniquidade!



E o musgo cresce sobre os caules
E os troncos das árvores,
Sufoca e mata
Até que não haja mais folhas e flores,
Até que não haja mais nada.



(Mesmo assim, é verde a paisagem)






Cartas Entre Amigos - Sobre Ganhar e Perder (resenha)

Imagem
Cartas Entre Amigos -Sobre Ganhar e Perder
Gabriel Chalita & Fábio de Melo
Editora Globo –Ano: 2010 -
225 páginas



Hoje em dia, quase ninguém mais escreve cartas; ficamos presos à rapidez e informalidade dos e-mails, redes sociais e mensagens por telefone. A beleza e a verdade da palavra cuidadosamente escrita (e refletida) parece estar, cada vez mais, perdendo-se. E é neste exato momento que me caiu às mãos o livro Cartas Entre Amigos – Sobre Ganhar e Perder, de Gabriel Chalita e Fábio de Melo. O livro, como deixa claro o título, é o resultado da troca de correspondência entre dois grandes amigos, onde ambos discursam e refletem intensamente sobre o mundo de hoje, as pessoas, os relacionamentos, suas agruras, tristezas e vazios; e no meio de tudo, eles encontram e nos mostram o caminho de sua fé, sem a qual ficaria ainda mais difícil seguir em frente.
O respeito e a reverência que os dois amigos demonstram um pelo outro também é uma grande lição nesses tempos em que relacionamentos …

CAMINHAR

Imagem
Imagens: ruas por onde caminho
Bem cedo ainda; a manhã ainda tenta desvencilhar-se dos dedos brancos e macios da neblina. Saio para caminhar pelas ruas silenciosas do meu bairro, as casas ainda fechadas, até chegar à Avenida Barão do Rio Branco - uma belíssima via petropolitana, ornada de árvores centenárias (algumas paineiras, quaresmeiras e ipês ainda coloridos pelo amarelo, roxo e rosa de suas flores), que liga o centro à Itaipava, Correas e outros bairros.
Passam poucos carros neste feriado. Vou caminhando, caminhando, e de repente, sinto que estou mais leve, os passos avançando mais macios, tendo seu impacto devolvido pelas solas dos tênis. Passarinhos e raios de sol brincam entre os galhos das árvores. Alguns madrugadores passam por mim, e trocamos "Bons dias." 
Do outro lado da pista - que é separada da pista onde caminho por um rio - passa um rapaz correndo. Ele não me vê. Está sem camisa, e traz um sorriso leve no rosto. Ao olhar para ele, penso: "Saúde, juvent…

Vinho

Imagem
Estenda a taça, Beba do vinho Bem encorpado Que a vida serve Enquanto passa!
Da uva, o doce, Noutras, o amargo... Ficam no fundo Da mesma taça.
Algumas gotas Bem perfumadas, Sangue travoso, Manchas de borra...
A vida serve No mesmo copo Todos os vinhos -E esta é a graça!
Bebê-los todos, Aproveitá-los Pois são da vida, Amaros, doces, E avinagrados...



Almoço Experimental

Imagem
O bacalhau não deixou-me dormir na noite de sábado para domingo. De vez em quando, acordava tendo-o em meus pensamentos, nadando para lá e para cá nas minhas imagens - que à noite, são sempre mais intensas. No dia seguinte, logo de manhãzinha, teria como tarefa preparar uma bacalhoada para a família, que viria almoçar no domingo de páscoa. Nunca havia feito este prato.
Bem, mas tinha a macarronada da Josie - uma de minhas convidadas - que poderia "salvar a pátria" caso algo desse errado. Detalhe: para ela, aquela macarronada também seria experimental.
Acordei bem cedo na manhã de domingo, e após reunir todos os ingredientes, comecei a preparar a misteriosa bacalhoada; já tinha imprimido várias receitas pela internet, mas acabei optando pela mais tradicional, as camadas de bacalhau, pimentão, azeitona, batata, tomates e bastante azeite. E fiz uma panela imensa de arroz branco. Calculei mal a quantidade, e quando vi, o arroz transbordava panela afora... até parece que não pas…

Feliz Páscoa

Imagem
Sempre gostei mais da Páscoa do que do Natal, embora também goste muito do segundo. Mas a Páscoa parece-me uma data mais reflexiva, e também, um pouco menos comercial. A morte, a ressurreição... o erguer-se da escuridão e ascender em direção à luz. Acho o simbolismo muito bonito.
A Páscoa também me traz lindas lembranças da infância, e creio que o mesmo se dê com a maioria das pessoas. Espero que nesta Páscoa todos possamos filtrar apenas o que for bom para dentro de nossas casas. Que fiquem as lembranças alegres de quem se foi, e que a presença de quem está à nossa mesa seja desfrutada plenamente.
A todos da blogesfera, meus mais sinceros votos de uma Feliz Páscoa, inesquecível e muito farta e reflexiva.

Pérolas e Pedras

Imagem
Das pérolas, faço um colar, E das pedras, um caminho. Jogo o que sobra no ar Aos porcos e aos passarinhos.
E é com a mesma alegria E com o mesmo prazer, Pois a voz da poesia É de quem a escolher.


Coisas Um Tanto Estranhas que me Acontecem

Imagem
Fatos reais; tive a ideia de escrever sobre essas coisas após um post no blog da amiga Ivone- Levitar em Brancas Nuvens- , que li há alguns dias.

Quem nunca viveu alguma coisa inexplicável, algo que todos consideram fantástico ou sobrenatural? A maioria das pessoas já passou por coisas assim, mas prefere calar, pois teme a incompreensão e o escárnio dos descrentes. Por este motivo, estes pequenos milagres cotidianos acabam ficando perdidos na estrada da nossa história, desvalorizados, morrendo de sede no meio da pista... e quando não sabemos valorizá-los ou escutá-los, eles vão se tornando cada vez mais raros, até desaparecerem por completo; é como alguém que bate insistentemente à uma porta, mas como ninguém vem abrir, acaba desistindo e indo embora.
Minha vida, assim como a vida de muita gente, está salpicada por estes fatos considerados 'sobrenaturais' - mas que eu considero apenas percepções normais que todo mundo tem, mas alguns não dão atenção ou importância.
Lembro-me …

CHOCOLATE

Imagem
Só a pronúncia, o som da palavra “chocolate” faz a minha boca encher-se d’água. Acho que o chocolate foi algo que Deus inventou para que a vida tivesse mais sentido, mesmo nas horas ruins – aquelas, em que nos sentamos em frente à TV com uma caixa de bombons, querendo que o mundo acabe em... chocolate! Segundo a Wikipedia, os mais antigos vestígios da plantação de cacau (planta que dá origem ao chocolate como o conhecemos) datam de 1100 a 1400 Antes de Cristo, em Honduras. Há também vestígios encontrados em uma peça de cerâmica Maia que mostra que o chocolate era utilizado como bebida no ano 400 Depois de Cristo. Os espanhóis descobriram sua utilização em 1585, após conquistarem (e dizimarem) o Império Asteca. 
No século XVII, além de ser consumido como bebida, ele passou a ser também consumido como doce... que ideia maravilhosa! Os portugueses trouxeram-no para o Brasil.  Ainda bem! 
Na Páscoa, o chocolate tornou-se uma tradição, embora alguns achem que o ato de presentear crianças …

Passo

Imagem
Passo pelos meus sem ser compreendida, Passo despercebida. Eu inauguro cada dia da minha vida E eles desfazem os laços.
Apressadamente viram os rostos Quando eu passo, Nada escutam do que eu digo, Ou então torcem as palavras Que  lhes caem nos ouvidos.
Desenho um arco-íris com o arco do braço, Escolho minhas próprias cores Para pintar meu mundo, minhas flores, Não desejo o cinza que derramam, Não quero a indiferença desbotada Com a qual me homenageiam Quando eu passo.



SOPRO

Imagem
Eu sopro teu rosto, assim, (meu rosto, invisível) Para que te lembres de mim.
Deixo passos silenciosos Pelo corredor da casa, Deixo cair uma gota mínima Do perfume que eu usava.
Mexo as saias das cortinas Para que te lembres de mim, Nos tempos em que eu dançava.
Eu venho naquela música -Lembras? - que eu tanto gostava, Derrubo em teu colo a flor seca Que as páginas do livro marcava.
Me deito ao teu lado, assim, Para que sonhes comigo, Para que te lembres de mim.
Mas sei que um dia, me esqueces, (As fotos amarelecem) Cai a flor sêca no chão (Tu a pisas sem notar...)
Outros perfumes virão, Outros risos, outras danças, Outras formas de viver: -E então, será minha hora, De finalmente,  morrer.


O Meu Coração...

Imagem
Está chovendo, e neste momento, estou sentada na varanda apreciando a chuva e as plantas, finalmente, verdes novamente após a longa seca. Na casa da vizinha, a arrumadeira - uma senhora muito simpática - canta, em falsete: "Meu coração é de Jesus..." Às vezes ela se entusiasma um pouco mais, e capricha num grave ou num agudo. Enquanto isso, ela trabalha. Viver a vida assim, cantando: sinal de quem é simples e vê beleza em tudo, para onde quer que olhe!
Não sei dos problemas que ela pode ter na vida, mas de uma coisa, eu tenho certeza: ela os enfrenta com fé e coragem. Se não fosse assim, não cantaria daquele jeito, e nem sorriria para mim toda vez que me cumprimenta. Adoro poder conviver com a alegria autêntica de pessoas autênticas.
O dia hoje está lento... agora, um mormaço de sol aparece, fazendo brilhar as gotas de chuva tão finas quanto poeira de água. Elas caem devagar, como confetes sobre a paisagem. Que momento bonito! Da minha cadeira de balanço, eu olho a vida. E …

DECRETO

Imagem
Fica então declarado Que a partir de hoje, Todas as estrelas me pertencem, São meus todos os astros, Já que não sei brilhar.
São minhas, as ondas do mar, O sal das águas e os peixes, Possuo todo o azul profundo No qual descansam as sereias, Já que não sei navegar.
Decreto , a quem interessar, Que todos os pássaros são meus, São meus todos os seres alados, E também, as suas penas, Já que eu não sei voar.
São meus também os poemas, Todas as métricas, todas as rimas, Decreto–as minhas por direito, Já que eu não sou poeta, Já que eu não sei cantar...


Morrer Todos os Dias

Imagem
...E quem não morre todos os dias, E não renasce, todos os dias, Carrega consigo o cheiro do corte, Profundo, negro e purulento,
Os pelos do mofo esverdeado O odor nauseabundo e forte Da Senhora Dona Morte.



Sopro

Imagem
Eu sopro teu rosto, assim, (meu rosto, invisível) Para que te lembres de mim.
Deixo passos silenciosos Pelo corredor da casa, Deixo cair uma gota mínima Do perfume que eu usava.
Mexo as saias das cortinas Para que te lembres de mim, Nos tempos em que eu dançava.
Eu venho naquela música -Lembras? - que eu tanto gostava, Derrubo em teu colo a flor seca Que as páginas do livro marcava.
Me deito ao teu lado, assim, Para que sonhes comigo, Para que te lembres de mim.
Mas sei que um dia, me esqueces, (As fotos amarelecem) Cai a flor seca no chão (Tu a pisas sem notar...)
Outros perfumes virão, Outros risos, outras danças, Outras formas de viver: -E então, será minha hora, De finalmente,  morrer...



Seis Horas da Tarde

Imagem
Ela inclinou-se em direção ao rádio, aumentando o volume para ouvir melhor. Com a interferência, vinham alguns sons de assovios e estalos de estática, mas no meio daqueles sons, podia-se ouvir a voz do locutor com clareza. O crepúsculo iluminava a cozinha, e as luzes da casa ainda não tinham sido acesas. A mulher chama a menina:
-Aninha, vem escutar a Ave-Maria!
A menina desvia os olhos do desenho que passa na TV, dizendo:
-Depois eu vou, mãe. Agora está passando "Missão Mágica."
A mãe aumenta ainda mais o volume, perturbando o som da TV. Insiste:
-Vem ouvir a Ave-maria, Aninha. daqui a pouco, acaba.
Finalmente, Aninha suspira fundo e dá os poucos passos que a afastam da cozinha. Ela olha para fora, pelo janelão que dá para o telhado do vizinho, e vê o céu escarlate que serve de pano de fundo para as folhas de coqueiro que a brisa agita docemente. A mãe está em uma posição engraçada, inclinada em direção ao rádio, cotovelos em cima da mesa. 
O locutor lê uma carta. É uma hi…

MARZIPÃ

Imagem
Marzipã

Surge, Mistura-se à névoa que sobe No denso silêncio Que aos poucos, se encobre.
Um cheiro de nozes, Um cheiro castanho de avelãs E marzipã...
Um brilho sutil De estrela da manhã, Quase madrugada...
A noite foi longa, Escura e pesada!... Surge a deusa estilizada!
Cabelos de fogo, Pele de romã, E no hálito, marzipã.
-Manhã!




A Mentira

Imagem
A mentira  É como uma flecha lançada nos olhos De quem nela crê.
Negra tinta derramada Nas águas claras de um lago, Veneno posto no doce Oferecido ao inocente.
A mentira É um prato florido e vazio Que só faz ter mais fome Quem dele come.
Ah, mas os que o servem... Ah, para estes Serão reservados Os mais belos quartos Com vista indevassável Dos jardins internos Do inferno.






Pisava em Nuvens

Imagem
Pisava em Nuvens

Pisava em nuvens de flocos, Flutuava sempre acima... Lá embaixo, um mundo de dores Que jamais a atingia...
Era pura, branca, limpa, Lábios rosados de mel; Não conhecia a agonia, Nem mesmo o gosto do fel...
Da vida, sempre escolhia O que de mais puro havia, Não falava de tristezas, Nada nunca a afligia!
Tecia em volta de si Pura seda de alegrias, Fechava os olhos e ouvidos Para o que fere os sentidos...
Costurava em sua fronha Material para os sonhos Que tecia pela noite; Sempre belos e risonhos!
Não andava: flutuava, Jamais pisava os espinhos Que a vida, às vezes, plantava Pelos áridos caminhos...
Mas um dia, sempre chega Aquela nuance mais forte Um tom de dor, uma perda Perpetrada pela morte!
De negro tingiu-se-lhe a vida O sorriso se apagou... Da sua nuvem, caiu, E de cinzas se banhou!
Os espinhos penetraram-lhe A sola branca dos pés Sangrando sua confiança Diante daquele revés...
As nuvens passavam longe, E com ela, não sonhavam... No chão, chamava por elas, Mas e…

Direito de Resposta

Imagem
O espaço onde ambas participamos não dá direito de resposta; pelo menos, aqui, em meu blog, que é um espaço livre, posso manifestar-me. Jurei que não iria mais à sua página, mas você sempre me manda os links das nojeiras que publica, e também mandou-me por e-mail as respostas aos meus comentários naquele texto injurioso disfarçado de poema com o título "Um Beijo pra Você". É sempre assim, já não é a primeira vez que você republica textos retirados pela administração do site trocando os miolos de textos já publicados e mantendo títulos de outros textos mais antigos.Adora afirmar que eu tenho inveja de você e do seu trabalho - como se fosse trabalhoso criar poemas estúpidos com duas sílabas em cada verso, em tercetos. Você se diz tão cheia de luz e de brilho, e no entanto, vive de tentar empanar brilhos alheios e de soltar suas pragas rogadas a mim e a muitas outras pessoas em todos os seus textos; examine-os: grande parte deles contém mensagens direcionadas, humilhando outro…

A MARIPOSA

Imagem
O vento me trouxe uma mariposa Morta Jogou-a aos meus pés No chão da varanda.
Ela agora descansa Na palma da minha mão.
Lá longe, na mata,  Revoam borboletas amarelas e brancas, Cantam as cigarras.
Um grilo pequenino Toca sua leve guitarra, Não sabe da tempestade Que é gerada no ventre das nuvens negras. Um colibri chega bem perto, De repente, As asas zunem enquanto ele me olha E vai embora...
Visita tão breve e tão preciosa!
Tudo é vida, tudo!... Mas a mariposa me fez lembrar De coisas que eu queria esquecer. De repente, fiquei triste, Começou a chover.




Aos Poucos

Imagem
Boa tarde a todos!
Imaginem vocês que de repente eu me lembrei que tenho um netbook antiguinho que comprei em 2010 que já não uso há muito tempo e que estava guardado em uma prateleira (achei que nem funcionasse mais), e  através dele,estou conseguindo acessar meus blogs sem problemas, por enquanto.... Por enquanto, vou 'me virando' com ele mesmo... se receberem emails ou indicações para leitura, estarei mandando dele - livre de vírus.

Assim, vou retomando minhas atividades aos poucos, e espero, possa visitar e comentar outros blogs. Longe do ideal - prefiro o desktop com meu telão gigante - mas é o que há no momento...